THE CURIA AND THE COMITIUM

  1. When two or more praesidia have been established in any city, town, or district, a governing body termed the Curia should be set up. The Curia shall be composed of all the officers (Spiritual Directors included) of the praesidia in its area.
  2. Where it is found necessary to confer on a Curia, in addition to its own proper functions, certain powers of superintendence over one or several Curiae, such higher Curia shall be styled more particularly a Comitium.

    The Comitium is not a new council. It continues to act as a Curia in respect of its own area and to govern directly its own praesidia. In addition it supervises one or more Curiae.

    Each Curia and praesidium directly related to a Comitium shall be entitled to full representation on the latter.

    In order to relieve the representatives of a Curia from attendance at all the meetings of the Comitium (which, added to the meetings of their own Curia, might form an undue burden), it would be permissible to deal with the business of that Curia and to require the attendance of its representatives only at every second or third meeting of the Comitium.

    A Comitium shall not ordinarily cover an area larger than a Diocese.

  3. The Spiritual Director shall be appointed by the Ordinary of the Diocese in which the Curia (or Comitium) functions.
  4. The Curia shall exercise authority over its praesidia, subject to the Constitution of the Legion. It shall appoint their officers (other than the Spiritual Director), and keep count of their terms of office.

    As to the manner of appointment, see paragraph 11 of chapter 14, The Praesidium.

  5. The Curia will ensure the scrupulous carrying out of the rules by the praesidia and their members.

    The following shall form important parts of the work of a Curia:

    (a)The education and supervision of the officers in their duties and in the general management of their praesidia.

    (b)The receiving of a report from each praesidium not less frequently than once a year.

    (c)The exchange of experiences.

    (d)The consideration of new works.

    (e)The creation of high standards.

    (f)The ensuring that every legionary satisfactorily performs the work-obligation.

    (g)The extension of the Legion and the stimulation of praesidia to recruit Auxiliaries (including the after-care and organisation of the latter).

    It is manifest, therefore, that a high degree of moral courage will be required from the Curia, and especially from its officers, for the proper discharge of its functions.

  6. The fate of the Legion lies in the hands of its Curiae, and its future depends on their development. The state of the Legion in any district must be counted precarious until a Curia has been established there.
  7. Legionaries under 18 years of age cannot sit on a Senior Curia. But if deemed advisable by the Curia, a Junior Curia, subject to the Curia, may be set up.
  8. It is absolutely essential that the officers of the Curia, and particularly the President, should be easily accessible to the legionaries who are subject to that Curia, so that difficulties, or proposals, or other matters which are not ripe for more public discussion, may be talked over.
  9. It is most desirable that the officers, and particularly the President, should be able to devote considerable time to the duties of their positions, on which so much depends.
  10. When there are a large number of praesidia attached to a Curia, the resulting number of representatives at the latter will be considerable. This fact may possibly involve disadvantages from the aspects of accommodation and of administrative perfection, but the Legion believes that these will be amply compensated for in other respects. The Legion looks to its Curiae to supply another function than that of administrative machinery. Each Curia is the heart and brain of the group of praesidia which are attached to it. Being the centre of unity, it follows that the more numerous the bonds (that is, the representatives) which link it to the individual praesidia, the stronger will be that unity, the more certain will the praesidia be to reproduce the spirit and methods of the Legion. It will be at the Curia meetings alone that the things which relate to the essence of the Legion can be adequately discussed and learned. Thence they will be transmitted to the praesidia, and there diffused amongst the members.
  11. The Curia shall cause each praesidium to be visited periodically, if possible twice a year, with a view to encouraging it and seeing that all things are being carried out as they should be. It is important that this duty be not fulfilled in a carping or fault-finding fashion which would end by causing the advent of visitors to be dreaded and their recommendations to be resented, but in a spirit of affection and humility which will presume that there is as much to be learned from as taught to, the praesidium visited.

    At least a full week's notice of such intended visitation should be given to a praesidium.

    Occasionally one hears of this visitation being resented on the score that it amounts to "outside interference." Such an attitude is not respectful to the Legion, of which those praesidia are but parts and of which they should be loyal parts: shall the hand say to the head "I need not your help"? Furthermore, it is unthankful, for do not those units owe their very existence to that "outside interference." It is inconsistent, for how willingly they accept from their central authority things which they are pleased to regard as benefits. It is foolish, too, for thereby they set themselves against universal experience. It is the lesson of all organised life (whether religious, civil, or military) that an ungrudging, comprehensive, and practical recognition of the "central principle" is essential to the preservation of spirit and efficiency. A regular visitation of the units of organisation is an all-important part of the application of that principle, and no competent form of authority neglects its duty in this respect.

    Apart, however, from the fact that visitation from the Curia is necessary to health, each praesidium should remember that it is part of the Rule, and hence should insist that this duty is not overlooked by the Curia. It goes without saying that a cordial welcome should be given to the visitors.

    On the occasion of this visitation, the various membership rolls, the Secretary's and Treasurer's books, the Work Sheet and the other items of the praesidium system must be examined with a view to judging if they are properly kept, and to ascertaining if the Legionary Promise has been made in the case of each member who has fulfilled the required period of probation.

    This inspection should be made by two representatives of the Curia. These need not be restricted to Curia officers: any experienced legionary may be appointed. The visitors are to submit to the Curia officers a written report on the result of their inspection. A specimen report sheet can be obtained from the Concilium.

    Defects which are found should not, in the first instance, be made the subject of open comment either at the praesidium itself or at the Curia. They should be discussed with the Spiritual Director and the President of the praesidium. If this does not secure rectification, the matter should be brought before the Curia.

  12. The Curia stands in much the same relation to its members as a praesidium does to its members. Thus, all that is said in these pages regarding the attendance and conduct of legionaries at their praesidium meetings is to be taken as applying equally to the attitude of praesidium representatives towards their Curia meetings. Zeal in other respects will not compensate for failure on the part of officers to give a faithful attendance at meetings of their Curia.
  13. The Curia shall meet at times and places to be fixed by the Curia itself, with the approval of its next-highest council. Such meetings should, if possible, be held not less frequently than once a month. See the reasons for this frequency: section 1, paragraph 19 of this chapter.
  14. An agenda for the meeting shall be prepared beforehand by the Secretary in consultation with the President, and circulated to each Spiritual Director and each President previous to the praesidium meeting immediately before the Curia meeting. It shall be the duty of the President to notify the other representatives of the praesidium.

    Such agenda should be provisional, and as much liberty as possible should be extended to members to raise additional points.

  15. Vigilant watch must be kept by the Curia to ensure that praesidia do not drift into the giving of material relief, which would mark the end of all really useful legionary work. The periodic inspection of Treasurers' statements will help the Curia to discern the beginnings of any incorrect tendency.
  16. The President (and of course the same applies to all those others in authority) should beware of falling into what is an exceedingly common fault, that of keeping even the most minute items of responsibility in his own hands. One result of such a tendency will be the slowing down of work. It may even paralyse the whole system in large centres where the work is considerable in quantity. The narrower the neck of the bottle, the more slowly will the contents be given forth, until sometimes people break off that neck in their impatience.

    But another serious feature is that the denial of some responsibility to those who are fit to assume it does injustice both to those individuals and to the whole Legion. The exercising of some degree of responsibility is a necessary part of the development of great qualities in the individual. Responsibility, indeed, can transmute mere sand into gold!

    The Secretary should not be held restricted to secretarial work, nor the Treasurer to the keeping of the accounts. All officers, and even senior and promising members, should be entrusted with spheres of initiative and control, for which - subject of course to the higher authority - they will be held responsible. The ultimate aim must be the filling of every legionary with a sense of responsibility for the well-being and extension of the Legion as a potent means of helping souls.

"All the works of God are founded on unity, for they are founded on Himself, who is the most awfully simple and transcendent of possible unities. He is emphatically One; and whereas He is also multiform in His attributes and His acts, as they present themselves to our minds, it follows that order and harmony must be of His very essence." (Cardinal Newman: Order, the Witness and Instrument of Unity. This and the next three quotations form, in the original, one passage)

 

 Portuguese:                                

                                               A CURIA E O COMITIUM

 

             1. Logo que numa cidade ou região se fundem dois ou mais Praesidia, deve formar-se também um Conselho diretivo chamado Curia. Esta será constituída por todos os Oficiais (incluindo os Diretores Espirituais) dos Praesidia da respectiva área.

             2. Onde for necessário conferir a uma Curia, além das funções próprias, certos poderes de administração sobre uma ou várias Curiae, tal Curia superior tomará a denominação particular de Comitium.

             O comitium não é um novo Conselho. Continua a agir como Curia em relação à sua própria área e a governa diretamente os seus próprios Praesidia. Além disto, administra uma ou mais Curiae.

             Cada Curia ou Praesidium diretamente dependente do Comitium tem nele, direito 'a plena representação.

             A fim de aliviar os representantes de uma Curia da participação de todas as reuniões do Comitium (as quais somadas com as reuniões da própria Curia se tornariam um fardo demasiadamente pesado) poderão tratar dos assuntos relativos a essa Curia, de duas em duas ou de três em três reuniões do Comitium, exigindo apenas para essa ocasião, a presença dos ditos representantes.

             O Comitium, em geral, não deverá ultrapassar os limites de uma Diocese.

             3. O Diretor Espiritual será nomeado pelo Bispo da Diocese onde a Curia (ou Comitium) exerce as suas funções.

             4. A Curia exercerá autoridade sobre os Praesidia que dela dependem, de acordo com os Estatutos da Legião. Nomeará os Oficiais, exceto o Diretor Espiritual, e cuidará da duração dos seus cargos. Quanto 'a maneira de proceder para a sua nomeação, veja-se o número 11 do Capítulo " O Praesidium".

             5. A Curia velará pela correta observância dos Regulamentos, por parte dos Praesidia e dos seus membros. Entre as atividades importantes da Curia, deverão contar-se as seguintes;

             a) Formar e vigiar os Oficiais no desempenho dos seus cargos e na maneira de dirigir os respectivos Praesidia.

             b) Receber os relatórios, ao menos uma vez por ano.

             c) Comunicar reciprocamente ass experiências.

             d) Estudar novos trabalhos.

             e) Tender à  criação de padrões elevados.

             f) Certificar-se de que cada legionário cumpre satisfatoriamente a sua tarefa semanal.

             g) Expandir a Legião e estimular os Praesidia a recrutar Auxiliares, a organizá-los e a velar por eles.

             Em vista disto, torna-se evidente o alto grau de coragem moral que a Legião exige da Curia, especialmente dos seus oficiais, a fim de cumprirem convenientemente os deveres dos seus cargos.

             6. A  sorte da Legião está nas mãos das Curiae e o seu futuro depende do desenvolvimento delas. A própria existência da Legião, em qualquer localidade, deve considerar-se fraca, enquanto não se fundar uma Curia.

             7. Os legionários com menos de 18 anos não podem pertencer a uma Curia de adultos; mas, se houver conveniência, se fundará uma Curia Juvenil, dependente da primeira.

             8. É absolutamente necessário que os oficiais da Curia, sobretudo o Presidente, estejam sempre dispostos a atender os legionários, seus subordinados, ansiosos por solucionar dificuldades, apresentar projetos ou tratar de outros assuntos ainda insuficientemente amadurecidos para uma discussão pública.

             9. É aconselhável que os Oficiais, especialmente o Presidente, dediquem tempo considerável ao desempenho dos seus cargos. Disso depende muito o bom êxito da obra.

             10. Quando numerosos Praesidia dependem de uma Curia, numerosos terão de ser os representantes na reunião da mesma. Tal fato poderá causar dificuldade de acomodação e de perfeita administração. Crê, todavia a Legião, que estas dificuldades serão amplamente compensadas por vantagens de outro gênero.

             A Legião espera que as suas Curiae sejam algo mais que simples máquinas adminiistrativas. Cada uma é o coração e o cérebro do grupo de Praesidia que dela dependem. Sendo a Curia centro de unidade, quanto mais numerosos forem os laços (isto é, os representantes) que a unem aos Praesidia, tanto mais forte será esta unidade e, conseqüentemente, mais seguros estarão os Praesidia de reproduzir o espírito e os métodos da Legião. Ora só nas reuniões da Curia é que os assuntos relacionados com a essência da Legião podem ser discutidos e compreendidos completamente. Daí serão transmitidos aos Praesidia e assim difundidos entre os respectivos membros. 

             11. A Curia deve providenciar para que cada Praesidium seja visitado periodicamente duas vezes por ano, se possível, a fim de o estimular e de se assegurar de que tudo caminha ordenadamente.

             É da maior importância que tais visitas não se façam com espírito de censura ou de fiscalização, o que levaria a temer a presença dos visitantes de que espírito de amor e de humildade, conscientes os visitantes de que têm tanto ou mais a aprender de qualquer Praesidium visitado, como a ensinar-lhe.

             A visita deverá ser notificada ao Praesidium, com uma semana de antecedência, pelo menos.

             Ouvem-se, às vezes, queixas com a justificativa de que a visita representa uma "interferência estranha". Tal atitude manifesta pouco respeito para com a Legião, da qual os Praesidia são simples elementos e à qual devem perfeita lealdade. Dirá a mão à  cabeça "não preciso do teu auxilio?" Além disso, tal atitude é prova de ingratidão, pois que essas unidades, devem sua existência a isso que eles chamam de "interferência estranha". São incoerentes consigo mesmos, pois aceitam de bom grado, da Autoridade Central, toda e qualquer iniciativa ou ordem que julgam úteis à organização. É também uma atitude insensata, já que a proposta está de acordo com a experiência universal. Em toda a organização, seja ela religiosa, civil ou militar, o reconhecimento espontâneo, compreensivo e prático da Direção Central é essencial à defesa e salvaguarda do espírito e do bom funcionamento. A visita regular às unidades da organização é um fator importantíssimo da aplicação desse princípio, e nenhuma forma competente de governo o descuida.

             Além de as visitas por parte da Curia serem necessárias ao bem-estar do Praesidium, recorde-se a este que a visita é um pouco estabelecido pelo Regulamento, cumprindo-lhe, por isso, cuidar para que a Curia não se desleixe no cumprimento desta obrigação. Desnecessário é dizer que os visitantes devem ser acolhidos cordialmente.

             Nesta ocasião, o visitante examinará as listas dos membros, os livros de Secretaria e de Tesouraria, a Folha de Trabalhos e outros elementos da organização do Praesidium, a fim de verificar se estão em ordem, e certificar-se de que todos os membros, em condições de fazer o Compromisso Legionário o fizeram de fato.

             A inspeção deve ser feita por dois representantes da Curia, Não se requer que estes sejam Oficiais da Curia; tal tarefa pode ser confiada a qualquer legionário experiente. Os visitantes apresentarão aos Oficiais da Curia um relatório escrito sobre o resultado da sua visita. O Concilium fornece modelos destes relatórios.

             Os defeitos verificados não devem ser, logo de início, motivo de observações públicas, quer no Praesidium quer na Curia. Tratem-se primeiramente com o Diretor Espiritual e o Presidente do Praesidium. Se não der resultado, submeta-se o caso à Curia.

             12. A Curia, em relação aos membros que a compõem, está mais ou menos na mesma situação que o Praesidium em relação aos seus. Por isso, tudo o que nestas páginas se expõe com relação à assistência e comportamento dos legionários nas reuniões do Praesidium aplica-se igualmente aos representantes do Praesidium nas reuniões da Curia. O zelo manifestado pelos Oficiais em outros serviços nunca compensará o descuido na fiel participação às reuniões da Curia.

             13.A Curia se reunirá em tempo e lugar determinados por ela própria, com a aprovação do Conselho Superior imediato. As reuniões deverão fazer-se, se possível, ao menos uma vez por mês. Vejam-se as razões para esta freqüência no número 19 de "1. Normas gerais...", deste capítulo.

             14. O Secretário, depois de ter consultado o Presidente, preparará a agenda da reunião da Curia e deverá entregá-la, com a devida antecedência, aos Diretores Espirituais e Presidentes dos Praesidia nela representados. É ao Presidente que cabe avisar os demais representantes do Praesidium.

             O programa proposto tem caráter provisório, devendo dar-se aos membros, a maior liberdade possível para a apresentação de novos assuntos.

             15. A Curia exercerá a máxima vigilância sobre os Praesidia para que estes se afastem do seu verdadeiro espírito, distribuindo bens materiais, o que seria o fim de todo o trabalho legionário verdadeiramente proveitoso.

             A inspeção periódica dos livros de contas do Tesoureiro ajudará a Curia a descobrir os primeiros sinais de qualquer irregularidade.

             16. O P residente - e o mesmo se diz de todos os dirigentes - deve esforçar-se por não cair numa falta demasiadamente comum: querer assumir a responsabilidade sozinho, das coisas mínimas. O resultado de semelhante tendência seria o enfraquecimento da ação, chegando, nos grandes centros, onde existe muito trabalho, a provocar até a paralisação de toda a máquina legionária. Quanto mais estreito é o gargalo de uma garrafa, tanto mais lentamente dela escorre o líquido, acontecendo, por vezes, que alguém mais impaciente acabe por quebrá-la.

             Mas eis outro aspecto não menos sério: negar as responsabilidades, a quem pode honestamente assumi-las, é ser injusto não só para com esses legionários, mas também para com a própria Legião. O exercício de um certo grau de responsabilidade é condição indispensável ao desenvolvimento das grandes qualidades do indivíduo. A responsabilidade é capaz de transformar a simples areia em ouro fino.

             O Secretário não deve limitar-se pura e simplesmente ao trabalho de secretario, nem o Tesoureiro ao arranjo das contas. A todos os Oficiais,  mesmo aos mais experientes e aos promissores, devem ser confiados cargos em que possam desenvolver o espírito de iniciativa e de controle, pelos quais serão responsáveis, embora sujeitos à autoridade superior, a quem sempre se subordinarão. Tal procedimento tem como fim essencial, formar os legionários no sentido da responsabilidade pelo bem-estar e progresso da Legião, como poderoso meio de contribuir para a salvação do próximo.

             "Todas as obras de Deus estão fundamentadas na unidade, pois o fundamento de todas é Ele mesmo - a mais simples e superior de todas as unidades possíveis. Deus é uno, por definição; mas, porque, em nosso entender é também multiforme na sua perfeição e nos Seus atos, segue-se que a ordem e a harmonia são da Sua própria essência", (Cardeal Newman: A Ordem, Testemunha e Instrumento de Unidade. Esta e as três citações seguintes formam no original uma só passagem).